Atividade: ILUMINISMO parte II

1 – (FUVEST – 1998) “Um comerciante está acostumado a empregar o seu dinheiro principalmente
em projetos lucrativos, ao passo que um simples cavalheiro rural costuma empregar o seu em
despesas. Um freqüentemente vê seu dinheiro afastar-se e voltar às suas mãos com lucro; o outro,
quando se separa do dinheiro, raramente espera vê-lo de novo. Esses hábitos diferentes afetam
naturalmente os seus temperamentos e disposições em toda espécie de atividade. O comerciante é,
em geral, um empreendedor audacioso; o cavalheiro rural, um tímido em seus empreendimentos…”
(Adam Smith, A Riqueza das Nações, Livro III, capítulo 4)
Neste pequeno trecho, Adam Smith
a) contrapõe lucro a renda, pois geram racionalidades e modos de vida distintos.
b) mostra as vantagens do capitalismo comercial em face da estagnação medieval.
c) defende a lucratividade do comércio contra os baixos rendimentos do campo.
d) critica a preocupação dos comerciantes com seus lucros e dos cavalheiros com a ostentação de
riquezas.
e) expõe as causas da estagnação da agricultura no final do século XVIII.
2 – (PUC-MG – 1997) A partir do século XVI, a palavra T R A B A L H O perde seu conceito
negativo associado à idéia de pobreza e sofrimento, adquirindo uma conotação positiva de
dignidade, porque:
a) o trabalho passa a ser exercido também pelas classes dominantes.
b) a campanha pela abolição do trabalho escravo na América se intensifica.
c) os equipamentos das manufaturas exigem trabalhadores qualificados.
d) o trabalho é fonte de toda a produtividade e riqueza material.
e) a doutrina calvinista justifica o trabalho como fonte de salvação.
3 – (PUC-MG – 1998) São princípios fundamentais do liberalismo econômico no século XVIII,
EXCETO:
a) combate ao mercantilismo.
b) defesa da propriedade coletiva.
c) liberdade de contrato.
d) livre concorrência e livre cambismo.
e) divisão internacional do trabalho.
4 – (PUC-MG – 1998) As idéias dos diversos filósofos do Iluminismo, que tanta importância
exercem nos movimentos sociais dos séculos XVIII e XIX, têm como princípio comum:
a) a república como único regime político democrático.
b) a razão como portadora do progresso e da felicidade.
c) as classes populares como base do poder político.
d) o calvinismo como justificativa de riqueza material.
e) a igualdade social como alicerce do exercício da cidadania.
5 – (PUC-MG – 1999)O Iluminismo representa a visão de mundo da intelectualidade do século
XVIII, NÃO podendo ser apontado como parte do seu ideário:
a) o combate às injustiças sociais e aos privilégios aristocráticos.
b) o fortalecimento do Estado e o cerceamento das liberdades.
c) o anticolonialismo e o repúdio declarado à escravidão.
d) o triunfo da razão sobre a ignorância e a superstição.
e) o anticlericalismo e a oposição à intolerância religiosa.

6 – (PUC – PR – 2000) O Iluminismo foi uma filosofia nascida na Inglaterra e atingiu seu maior
esplendor na França, no século XVIII, tendo por representantes Voltaire, Montesquieu, Rousseau,
etc. Uma das suas características foi a seguinte:
a) Defender os ensinamentos das Igrejas Católica e Protestante.
b) Ensinar que o homem não é livre, mas marcado pelo determinismo geográfico.
c) Combater o absolutismo real e pregar o liberalismo político.
d) Pregar a censura para os espetáculos de circo e de teatro.
e) Recomendar a pena de morte como maneira de coibir a criminalidade.
7 – (PUC – RJ – 1998) “O nosso século é chamado o Século da Filosofia por excelência. Se
examinarmos sem prevenção o estado atual dos nossos conhecimentos, não se pode deixar de convir
que a filosofia registrou grandes progressos entre nós. (…) Assim, desde os princípios das ciências
profundas até os fundamentos da Revelação, desde a metafísica até as questões de gosto, (…) desde
as disputas escolásticas dos teólogos até os objetos de comércio, (…) tudo foi discutido, analisado e,
no mínimo, agitado.”
D’Alembert
(apud. Ernst Cassirer. A filosofia do Iluminismo. pp 20-21)
As palavras de D’Alembert nos remetem a algumas das características das idéias e concepções do
movimento iluminista. Entre elas podemos identificar:
I – A valorização da filosofia como campo de reflexões estritamente direcionadas para a crítica das
ciências da natureza.
II – A defesa de uma concepção de história associada ao ideal de progresso e contraposta aos valores
da tradição.
III – A secularização de todos os domínios de conhecimento, incluindo-se aqueles relacionados à
moral, à religião e às relações sociais.
IV – A defesa da razão e da experiência como instrumentos centrais para a produção de todos os
conhecimentos e valores pertinentes ao homem e às suas sociedades.
Assinale:
a) se somente as afirmativas I e II estão corretas.
b) se somente as afirmativas I e IV estão corretas.
c) se somente as afirmativas II, III e IV estão corretas.
d) se somente a afirmativa III está correta.
e) se todas as afirmativas estão corretas.
8 – (PUC – RJ – 1999) Assinale a opção em que se encontra corretamente identificado um dos
preceitos fundamentais da Fisiocracia:
a) “O ouro e a prata suprem as necessidades de todos os homens.”
b) “Os meios ordinários, portanto, para aumentar nossa riqueza e tesouro são o comércio exterior.”
c) “Que o soberano e a nação jamais se esqueçam de que a terra é a única fonte de riqueza e de que
a agricultura é que a multiplica.”
d) “Todo comércio consiste em diminuir os direitos de entrada das mercadorias que servem às
manufaturas interiores (…)”
e) “As manufaturas produzirão benefícios em dinheiro, o que é o único fim do comércio e o único
meio de aumentar a grandeza e o poderio do Estado.”

9 – (PUC – RS – 1999) No século XVIII surge na França a teoria econômica fisiocrática, propostaoriginariamente pelo médico Quesnay. A Fisiocracia criticava o mercantilismo colbertista e
sustentava que a origem da riqueza nacional se encontrava no setor
a) industrial.
b) comercial.
c) agrícola.
d) financeiro.
e) extrativista.
10 – (PUC – RS – 1999) INSTRUÇÃO: Responder à questão 10, sobre o pensamento iluminista
nos séculos XVII e XVIII, numerando a coluna da direita de acordo com a coluna da esquerda.
Adam Smith
( ) Criticava a burguesia e a propriedade privada. Defendia a tese de que todo o poder emana do
povo (da vontade geral) e é em nome do povo que ele é exercido.
Barão de Montesquieu
( ) Condenava o mercantilismo, por considerá-lo um entrave lesivo a toda ordem econômica.
Defendia que, com a concorrência, a divisão do trabalho e o livre comércio se alcançaria a harmonia
e a justiça social.
John Locke
( ) Combatia o despotismo. Defendia a tese de que a autoridade do governo deve ser desmembrada
em três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário.
Jean-Jacques Rousseau
( ) Combatia o absolutismo. Defendia a idéia segundo a qual a vida, a liberdade e a propriedade são
direitos naturais. Os governos, para o filósofo, teriam a finalidade de respeitar e assegurar os
direitos naturais dos cidadãos.
Relacionando-se a coluna da esquerda com a coluna da direita, obtêm-se, de cima para baixo, os
números na seqüência:
a) 1, 3, 4, 2
b) 4, 1, 2, 3
c) 3, 1, 4, 2
d) 4, 3, 1, 2
e) 3, 4, 2, 1
11 – (UERJ – 1999)
“Não se vêem, porventura (…) povos pobres em terras vastíssimas, potencialmente férteis, em
climas dos mais benéficos? E, inversamente, não se encontra, por vezes, uma população numerosa
vivendo na abundância em um território exíguo, até algumas vezes em terras penosamente
conquistadas ao oceano, ou em territórios que não são favorecidos por dons naturais? Ora, se essa é
a realidade, é por existir uma causa sem a qual os recursos naturais (…) nada são (…). Uma causa
geral e comum de riqueza, causa que, atuando de modo desigual e vário entre os diferentes povos,
explica as desigualdades de riqueza de cada um deles (…)”
(SMITH, Adam. Apud HUGON, Paul. História das Doutrinas Econômicas. São Paulo: Atlas, 1973.)
O texto acima evidencia a preocupação, por parte de pensadores do século XVIII, com a fonte
geradora de riqueza. As “escolas” econômicas do período – Fisiocracia e Liberalismo –apresentavam, contudo, discordâncias quanto a essa fonte. Os elementos geradores de riqueza para a
Fisiocracia e para o Liberalismo eram, respectivamente:
a) terra e trabalho
b) agricultura e capital
c) indústria e comércio
d) metal precioso e tecnologia
12 – (UFF – 1999) “Todo homem, contanto que não transgrida as leis da justiça, permanece
plenamente livre para seguir a estrada apontada por seu interesse e para levar onde lhe aprouver, sua
indústria e seu capital, juntamente com aqueles, de qualquer outra classe de homens.” (SMITH,
Adam. Textes Choisis. Paris, Dalloz, 1950, p. 275).
Este texto apresenta a máxima do liberalismo inglês do século XVIII, pressupondo que a noção de
liberdade ligava-se ao reino da Natureza, sem vinculações com a problemática do espaço.
Assinale a opção que se identifica, corretamente, com o pensamento de Adam Smith.
a) As atitudes políticas dos cidadãos, em particular sua liberdade de escolher seus representantes,
era tema de interesse vital para os liberais do século XVIII, mormente em face dos primeiros
movimentos operários.
b) A idéia de “nação”, como um espaço socialmente construído, é um dos fundamentos do
liberalismo do século XVIII.
c) O conceito de “nação” está intimamente ligado ao “princípio da nacionalidade” formulado no
século XVIII.
d) Até o final do século XIX o termo “nação” significava, simplesmente, o conjunto de habitantes
de uma província, de um país ou de um reino, pertencendo muito mais ao domínio da Natureza.
e) O pensamento liberal parte do reconhecimento do valor e importância da cooperação humana
mediante a forte presença do Estado.
13 – (UFMG – 1997) Assinale a alternativa que apresenta a concepção de trabalho de Adam Smith.
a) A divisão do trabalho deve ser controlada pelo Estado, de forma a garantir a estabilidade na oferta
de empregos.
b) A maior produtividade pressupõe a especialização do trabalho, a divisão entre vários homens
daquilo que anteriormente era produzido por um só.
c) Os parasitas, aqueles que não trabalham, não podem participar e nem se beneficiar da riqueza
produzida pela coletividade.
d) Uma maior colaboração entre produtores diretos garante uma maior socialização das riquezas e o
Estado do Bem-Estar Social.
14 – (UFMG – 1997) Assinale a alternativa que apresenta um princípio filosófico do Século das
Luzes.
a) Crença na razão como fonte pra a crítica social e política
b) Defesa do ideal monárquico para a garantia da unidade política
c) Idéia do direito divino dos reis para legitimar o absolutismo
d) Idéia de indivisibilidade do Estado em poderes independentes.

Exercícios: ILUMINISMO

01. “Os filósofos adulam os monarcas e os monarcas adulam os filósofos.” Assim se referia o historiador Jean Touchard à forma de Estado europeu que floresceu na segunda metade do século XVIII. Os “reis  filósofos”, temendo revoluções, introduziram reformas inspiradas nos ideais iluministas.


Estas observações se aplicam: 

a) às monarquias constitucionais;
b) ao despotismo esclarecido;
c) às monarquias parlamentares;
d) ao regime social-democrático;
e) aos principados ítalo-germânicos.  


02. (CESGRANRIO) Os déspotas esclarecidos procuravam modificar os métodos e objetivos de ação do Estado.Em geral, apresentavam-se apenas como “os primeiros servidores do próprio Estado”. 
Entre as manifestações do despotismo esclarecido, pode-se incluir: 

a) a adoção da fraseologia dos filósofos iluministas para a modernização de seus respectivos Estados;
b) seu sucesso em países onde a burguesia era muito forte e atuante;
c) a durabilidade e coerência de suas reformas implantadas nos países da Europa Ocidental;
d) a adaptação de princípios novos a Estados com condições socioeconômicos e políticas bastante avançadas;
e) a destruição da religião revelada e da autoridade da Igreja através de precoces idéias de materialismohistórico.  


03.  “Movimento intelectual, portador de uma visão unitária do mundo e do homem, o iluminismo, apesar das diversidades de leituras que lhe são contemporâneas, conseguiu uma grande mudança quanto à racionalidade do mundo e do homem.” (Francisco FALCON, Iluminismo)
O movimento iluminista  do século XVIII representou uma: 

a) crítica ao mecanicismo, fundamental nos dogmas do pensamento religioso católico;
b) justificativa da dominação do homem pelo homem, representada nas práticas escravistas;
c) defesa da teocracia pontifícia, frente aos abusos cometidos pela monarquia absoluta;
d) afirmação das idéias de progresso e de Natureza, o que permitiu o avanço do conhecimento racional;
e) subordinação ideológica do poder político civil às práticas e doutrinas da Igreja contra-reformista.  
04. Representava o pensamento das camadas populares, ao afirmar que a fonte do poder era o próprio povo. Em seu livro Discurso sobre a origem da desigualdade entre os homens, afirma que “o primeiro que concebeu a idéia de cercar uma parcela de terra e dizer ‘isto é meu’, e que encontrou gente suficientemente ingênua que lhe desse crédito, esse foi o autêntico fundador da sociedade civil. De quantos delitos, guerras, assassínios, desgraças e horrores teria livrado o gênero humano aquele que, arrancando as estacas e enchendo os sulcos divisórios, gritasse: ‘cuidado, não deis crédito a esse trapaceiro, perecereis se esquecerdes que a terra pertence a todos’.”
A que filósofo iluminista refere-se o texto? 

a) Voltaire
b) Montesquieu
c) Rousseau
d) Denis Diderot
e) Jean d’Alembert  
05. Sobre o despotismo esclarecido, é correto afirmar que:
a) foi um fenômeno comum a todas as monarquias européias, tendo por característica a utilização dos princípios do iluminismo;
b) os déspotas esclarecidos foram os responsáveis pela sustentação e difusão das idéias iluministas elaboradas pelos filósofos da época;
c) foi uma tentativa bem-intencionada, embora fracassada, das monarquias européias no sentido de reformarestruturalmente seus Estados;
d) foram os burgueses europeus que convenceram os reis a adotar o programa de modernização proposto pelos filósofos iluministas;
e) foi uma tentativa mais ou menos bem-sucedida, de algumas monarquias reformarem, sem alterá-las, as estruturas vigentes.  

06. “Os fenômenos econômicos (…) processaram-se livre e independentemente de qualquer coação exterior, segundo uma ordem imposta pela Natureza e regida por leis naturais. Cumpre, pois, conhecer essas leis naturais e deixá-las atuar.” (Paul HUGON, Histórias das Doutrinas Econômicas)
O trecho acima sintetiza o pensamento econômico dos:

 a) fisiocratas
b) mercantilistas
c) marxistas
d) keynesianos
e) marginalistas  


07. As críticas ao Antigo Regime, efetuadas principalmente pelos filósofos e economistas, deram origem a um importante movimento intelectual conhecido como iluminismo. Esses pensadores: 
a) defendiam o intervencionismo estatal na área econômica;
b) rejeitavam as leis naturais por serem irracionais;
c) apoiavam o Estado absolutista e o princípio estamental de organização social;
d) pregavam  o respeito às liberdades individuais e a defesa da propriedade;
e) repudiavam a extinção do monopólio metropolitano.  


08. “A fim de que seja possível abusar de seus poderes, o Estado deve ser organizado de tal modo que cada um possa refrear a força do outro.” Esta frase de Montesquieu manifesta: 
a) a submissão dos demais poderes do Executivo;
b) a superioridade do Legislativo sobre o Executivo;
c) que o poder absoluto do governante não pode sofrer limitações;
d) que a tripartição de poderes leva ao equilíbrio e à harmonia do Estado;
e) a importância da organização militar para que seu país possa dominar o outro.


 09. “É proibido matar e, portanto, todos os assassinos são punidos, a não ser que o façam em larga escala e ao som de trombetas.” O autor desta frase é Voltaire, sempre lembrado por seu discurso irreverente, sarcástico e pela atualidade de suas idéias, embora tenha participado de um movimento intelectual do século XVIII, o iluminismo, que propunha: 
a) a defesa das idéias absolutistas e o controle da liberdade de expressão dos cidadãos;
b) a eliminação de qualquer tipo de propriedade privada e a estabilização da economia;
c) a valorização dos privilégios de nascimento e a crítica aos ideais burgueses de participação política;
d) a defesa dos direitos individuais e o fim das práticas centralizadoras;
e) a defesa de reformas apenas no plano cultural e a manutenção dos valores do Antigo Regime nos níveispolítico e econômico.

 10. (CESGRANRIO) Assinale a alternativa incorreta: Ao criticar o mercantilismo, os fisiocratas visavam:
a) eliminar o mercantilismo do Estado na vida econômica;

b) abolir os monopólios e privilégios;
c) permitir a livre circulação monetária;
d) desenvolver as colônias;
e) dar ênfase à agricultura como principal setor da atividade econômica.

Revolução Inglesa e Iluminismo

Vi no blog: http://professorasueli-historia.blogspot.com.br