COMO FAZER OS ALUNOS GOSTAREM DE HISTÓRIA?

Assistir filmes com temas históricos:
Existem muitos filmes ambientados em diferentes épocas históricas. Assisti-los com seu filho pode ser a deixa para vocês conversarem sobre o período. Desenhos como Hércules, que retrata o herói mitológico na Grécia Antiga, e Mulan, lenda chinesa que se passa no período das Dinastias do Norte e do Sul, ambos da Disney, também podem render boas conversas. Faça perguntas que estimulem a imaginação da criançada: Como será viver nessa época? Do que será que as crianças brincavam? O que comiam? O que vestiam? Quais são as principais diferenças entre o mundo atual e o retratado? Enfim, aproveite o que estão vendo na telinha para instigar a curiosidade de seu filho por outros tempos e civilizações.


Construir a árvore genealógica da família:
Essa atividade pode ajudar seu filho a entender a noção de tempo e da relação de dependência entre passado e futuro, além de ser uma oportunidade para estreitar os laços entre vocês. A professora Elaine Rodrigues de Paula, da cidade mineira de Catas Altas, levou o Prêmio Educador Nota 10 desse ano, da Editora Abril, com o projeto “Objetos e Costumes de Nossos Antepassados”, propondo o resgate da história da cidade e da família de cada aluno. 

Ela aconselha a aproveitar o período das festas de fim de ano para realizar esse trabalho – que pode ser, inclusive, um presente inesquecível para toda a família. “Procurem por fotos, vídeos e outros documentos para resgatar a origem da família. Desenhem a árvore genealógica até onde puderem, mostrando os casamentos ocorridos ao longo do tempo. Escrevam mini-histórias dos parentes mais distantes”, enumera a professora. 

Na reunião da família, mostre o produto para todos e convide os parentes mais velhos para contar alguns “causos”. A diversão estará garantida!

VISITAR MUSEUS:
Já dizia a sabedoria popular: quem vive de passado é museu. E é verdade. Visitar museus é uma estimulante viagem pelo tempo. O contato com objetos antigos, marcado por uma estética de cores e formas, é um prato cheio para falar de História e possibilita que seu filho veja tudo aquilo que ele aprende em sala de aula. Além disso, a valorização do acervo do museu mostra a o cuidado com a preservação da história, o que faz seu filho perceber a importância dada à disciplina.

Discutir feriados históricos:
Como geralmente os professores já trabalham o significado dos feriados históricos, a dica é pesquisar em livros ou na internet algumas curiosidades em relação ao dia. 

“A participação dos pais é fundamental”, testemunha Elaine Rodrigues de Paula, da cidade mineira de Catas Altas. Comece a conversa com “Você sabe por que hoje é feriado?” e vá contando o que descobrir na sua pesquisa. 

“Quando o filho percebe o interesse dos pais pelos conteúdos escolares aprendidos, quase naturalmente ele passa a prestar mais atenção nas aulas, para conseguir responder às perguntas em casa”, explica a professora Elaine Rodrigues de Paula, que testemunhou a melhora do desempenho escolar de seus alunos ao propor um trabalho de resgate da história da família com a ajuda dos pais. Pelo projeto “Objetos e Costumes de Nossos Antepassados”, ela levou o Prêmio Educadora Nota 10 da Editora Abril.


Aproveitar as deixas do dia a dia:
A História permeia todo o presente, mesmo que não percebamos: nossas vidas estão perpassadas pelas escolhas de pessoas que viveram antes de nós, basta prestar atenção. Nas placas de ruas, nomes de escolas, praças e parques muitas vezes vivem personagens históricos da cidade ou do país. Que tal pesquisar junto com seu filho quem foi a pessoa que nomeia a rua onde moram ou onde passeiam? 
“Descobrir o que ela fez, em que período viveu e o que acontecia nessa época, pode ajudar a criança a se interessar pelo passado, e consequentemente pela História”, afirma a professora Elaine Rodrigues de Paula, nomeada Educadora Nota 10 pelo Prêmio Victor Civita da Editora Abril. 
Além disso, procure se informar, assistindo ao telejornal, por exemplo. “Se a pessoa se interessa pelas questões cotidianas o apelo da História é inevitável. Não há como tratar a desigualdade social brasileira sem pensar na escravidão, só para citar um exemplo”, comenta o professor de História Marcus Vinícius Leite, de Belo Horizonte, Minas Gerais, que venceu em primeiro lugar o Prêmio Microsoft Educadores Inovadores, com o projeto Rádio História. 
Seus alunos tiveram que pesquisar e gravar noticiários de rádio como se estivessem acompanhando os fatos históricos, como a Queda do Muro de Berlim. “Muitos passaram a entender que o processo histórico é mais complexo e em muitos momentos bem mais interessante do que geralmente trabalhamos em sala de aula”, finaliza o professor.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s